Pessoas andando pela calçada
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Idosos e imunossuprimidos devem manter o uso de máscara como proteção contra a covid-19, mesmo em cidades onde não há mais obrigatoriedade. O alerta é do professor do Departamento de Biologia Celular da Universidade de Brasília (UnB), Bergmann Morais Ribeiro.

“Na minha opinião, ainda não é o momento de liberar o uso de máscaras em ambientes fechados. Como o número de transmissões e mortes está diminuindo ao longo do tempo, a liberação em espaços abertos é algo natural. Mas, ainda não é o momento para espaços fechados. A variante Ômicron é muito transmissível e há pessoas imunossuprimidas ou idosos que, se pegarem o vírus, mesmo vacinados, correm o risco de ser hospitalizados e ter a doença de forma grave”, disse. Para o professor, a liberação em espaços fechado deveria estar vinculada à queda do número de mortes por covid-19.

Segundo Ribeiro, locais com aglomerações ainda deveriam manter a obrigatoriedade do uso de máscara, como transporte público, comércios, teatro, cinema, feiras e shopping. 

A obrigatoriedade do uso também deveria ser mantida para estudantes e professores em escolas. Outro ponto destacado pelo professor é a necessidade de que os brasileiros completem o ciclo vacinal contra a covid-19.

“A pandemia ainda não acabou. Existem outras variantes que surgiram, como a Ômicron, que aumentou o número de infecções na Grã Bretanha, em Hong Kong e na própria China. Se não tomarmos cuidado, pode aparecer nova onda”, lembrou.

Fiocruz

Para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a flexibilização de medidas protetivas contra a doença, como o uso de máscaras em locais fechados de forma irrestrita, é prematuro. De acordo com o boletim do Observatório Covid-19 divulgado pela instituição, as próximas semanas serão fundamentais para entender a dinâmica de transmissão da doença. Ainda não é possível avaliar o efeito das festas e viagens no período do carnaval. 

O boletim cita estudo recente que sugere que o uso de máscaras deve ser mantido por duas a dez semanas após a meta de cobertura vacinal ser atingida, entre 70% e 90%. Com o surgimento da variante Ômicron e sua maior capacidade de escape dos anticorpos, o boletim diz que as máscaras ficaram ainda mais importantes.

 

Comunicar erroFale conoscoNewsletter

Mais do Agenda Betim
Mulher recebe a vacina contra a influenza em Betim (MG)

Betim tem menos da metade do público-alvo vacinado contra a gripe

Com baixa cobertura, campanha é prorrogada até o dia 31 de julho. Unidades Básicas de Saúde aplicam o imunizante de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.
Vacimóvel passará por regionais da cidade - Foto Prefeitura de Betim Divulgação

Cerca de 10% das vacinas contra covid em Betim foram aplicadas pelo ‘vacimóvel’

Prefeitura ressaltou importância da iniciativa, lançada em 2021, na ampliação da cobertura vacinal na cidade. Veículo adaptado como posto passa por praças, eventos, escolas e empresas e também contribui para outras campanhas de imunização.
Vacina meningocócica C contra a meningite

Betim prorroga campanha de vacinação contra a meningite C

O imunizante Meningocócica C está disponível nas 38 Unidades Básicas de Saúde do município, das 8h às 17h, e no Vacimóvel, conforme programação semanal.
vacina covid

Betim amplia público apto a receber vacina bivalente contra a covid-19

Nesta primeira etapa de vacinação, os grupos prioritários serão chamados seguindo uma diretriz do Ministério da Saúde. No momento, Betim está imunizando moradores com mais de 70 anos de idade, pessoas a partir de 12 anos abrigadas em Instituições de Longa Permanência (ILPs) e seus trabalhadores; imunocomprometidas; e moradores de comunidades indígenas, ribeirinhas e quilombolas.