Supermercado na zona sul do Rio de Janeiro.
(Imagem Arquivo/Tânia Rêgo/Agência Brasil)

O preço da cesta básica aumentou 2,8%, no mês de agosto, em Belo Horizonte. O aumento também foi verificado em outras 12 capitais pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), na comparação com o mês anterior.

Os dados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (link) levam em conta os preços do conjunto de alimentos básicos, necessários para as refeições de uma pessoa adulta – conforme Decreto-Lei 399/38 – durante um mês. 

De acordo com o Dieese, o tempo médio de trabalho necessário para adquirir os produtos da cesta em Belo Horizonte, em agosto, foi de 100 horas e 39 minutos, acima da média nacional, de 99 horas e 24 minutos.

O Dieese verificou também que o trabalhador de BH comprometeu, em agosto, na média, 49,46% do salário-mínimo líquido – ou seja, após o desconto referente à Previdência Social – para comprar os alimentos básicos para uma pessoa adulta. A média nacional ficou em 48,26%.

Ainda de acordo com a pesquisa, o custo da cesta básica na capital mineira ficou em R$ 478,07, no mês de agosto. Entre as capitais analisadas, São Paulo tem o custo mais alto (R$ 539,96), seguido por Florianópolis (R$ 530,42).

Supermercado
(Imagem Arquivo/Mehrad Vosoughi/Pexels)

 

Comunicar erroFale conoscoNewsletter

Mais do Agenda Betim
Notas de R$ 100

Pequenos empresários já podem pedir dinheiro do Pronampe

O dinheiro pode ser usado para investimentos, como aquisição de equipamentos ou realização de reformas, e para despesas operacionais, como salário dos funcionários, pagamento de contas e compra de mercadorias
Superintendência da Receita Federal, em Brasília

MEI poderá emitir nota fiscal de serviço no Portal do Simples Nacional

Mais de 13 milhões de empreendedores devem ser beneficiados. Atualmente, o microempreendedor é obrigado a emitir nota fiscal quando o serviço é prestado a empresas.
Carteira de Trabalho

Betim fecha 1º semestre do ano com a criação de 2,2 mil postos de trabalho

Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram uma queda de quase 70% em relação aos primeiros seis meses de 2021
Conteúdo patrocinado: