8.abr.2021 - Prefeito Vittorio Medioli em transmissão pelas redes sociais (Imagem Reprodução facebook)
8.abr.2021 – Prefeito Vittorio Medioli em transmissão pelas redes sociais (Imagem Reprodução/Facebook)
8.abr.2021 - Prefeito Vittorio Medioli em transmissão pelas redes sociais (Imagem Reprodução facebook)
8.abr.2021 – Prefeito Vittorio Medioli em transmissão pelas redes sociais (Imagem Reprodução/Facebook)

Em uma transmissão pelas redes sociais na tarde desta quinta-feira (8), o prefeito Vittorio Medioli (PSD), disse que a situação da Covid-19 em Betim está alarmante. Medioli atribuiu às variantes do coronavírus o alto número de casos registrados no município.

“A mutação deste covid-19 vem se alastrando e agravando a cada dia. Nós estamos hoje no pico dos casos em Betim, e assustados, porque o pico vai se superando a cada dia. Apesar do lockdown [Onda roxa] estar há mais de dez dias, e funcionando apenas com os serviços essenciais, não há sinais de queda dos casos”, disse.

O prefeito explicou a dificuldade em ampliar os leitos de internação na cidade. Segundo Medioli, mesmo tendo os equipamentos prontos para ampliar em mais 40 vagas de UTI, o país enfrenta problemas na produção de medicamentos para intubação.

Betim possui, em duas unidades hospitalares destinadas exclusivamente ao tratamento de pacientes com suspeita e confirmação do coronavírus, 90 leitos de enfermaria e outros 110 de UTI. O munícipio havia planejado chegar aos 160 leitos de UTI até na última segunda-feira (5).

“Nós chegamos hoje a 210 [leitos] e tivemos que dar uma parada, apesar de termos todos os equipamentos prontos para chegarmos a 160 leitos de UTI. O problema é que está em falta no Brasil sedativos para o paciente intubado”, justificou.

Vittorio Medioli disse que os fornecedores de medicamentos para sedação não estão conseguindo confirmar as compras do município devido a demanda no mercado. “Hoje a falta no Brasil de sedativos para manter a intubação, faz com que o Governo Federal e outras entidades disputem a produção dos sedativos. Betim tem um contrato contínuo, e hoje temos estoque para cerca de dez dias, mantendo esse nível de intubação. Os fornecedores não estão nos confirmando [a compra] porque há um sequestro na fonte. Hoje o SUS está se apoderando e distribuindo. Agora, quem já tinha feito suas compras, há muito tempo, está sofrendo essas restrições” disse.

De acordo com a última atualização da ocupação nos leitos hospitalares de Betim, feita ontem (7), pela Secretaria Municipal de Saúde, Betim estava com 89% dos leitos de UTI ocupados, e com 98% dos leitos de enfermaria ocupados. Desde o início da pandemia, são 720 mortes em decorrência da Covid-19 e 23.004 caos confirmados.

Avanço da doença

Betim levou 11 dias para contabilizar mais de 100 óbitos pela doença (27/03 a 07/04). O recorde negativo anterior havia sido entre 500 e 600 óbitos, com apenas 16 dias.

Marca de óbitosData do boletimNº total de casos
23/0320202
1º óbito29/04/202015
+ 10005/08/20203.035
+ 20025/09/20205.763
+ 30029/12/202010.649
+ 40001/02/202113.695
+ 50009/03/202118.553
+ 60026/03/202120.191
+ 70007/04/202122.747
Datas em que Betim ultrapassou 100, 200, 300, 400, 500, 600 e 700 óbitos por Covid-19. Fonte: Boletins da Secretaria Municipal de Saúde
Compartilhe

 

Comunicar erroFale conoscoNewsletter

Mais do Agenda Betim
Marcelo Queiroga em entrevista coletiva no Ministério da Saúde

Ministro detalha motivos para decretar fim da emergência sanitária

O ministro garantiu que haverá um período de transição, e que mesmo com o fim da emergência sanitária “nenhuma política de saúde será interrompida”
vacina contra a covid-19

Vacina contra a Covid segue disponível nas unidades de saúde em Betim

Moradores que estão com doses em atraso podem atualizar o esquema vacinal das 9h às 17h
Vacina CoronaVac

Covid-19: Betim se aproxima de 900 mil doses de vacinas aplicadas

Mais de 77% dos moradores completaram o ciclo vacinal, de acordo com o ‘vacinômetro’ da Secretaria Municipal de Saúde
Marcelo Queiroga

Covid-19: ministro oficializa fim de emergência sanitária

O fim da emergência de saúde pública terá um prazo de transição de 30 dias, para adequação dos governos federal, estaduais e municipais, ou seja, a portaria passa a valer em 22 de maio
Conteúdo patrocinado: