(Imagem Divulgação)

Com a vacina sendo o principal tema do debate do combate ao Covid-19, muito tem se falado de como será feita a imunização de pacientes em tratamento de doenças crônicas. O assunto foi amplamente discutido no evento online “Conexão, Paciente, Família e Cuidador”, organizado pelo Instituto Lado a Lado pela Vida.

(Imagem Divulgação)

Durante apresentação ao vivo, o presidente da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), Juarez Cunha, afirmou que ainda são muitas as dúvidas em relação à imunização contra a Covid-19, no entanto não podemos esquecer da importância de se proteger contra as demais doenças.

“É importante que todos coloquem seu calendário de vacinas em dia, assim evitamos que outras doenças comecem a impactar um sistema de saúde que já está sofrendo uma demanda muito grande por conta da Covid- 19”, explica.

Para o diretor da SBIm, Renato Kfouri, a vacinação é uma das medidas mais eficazes de saúde pública em termos de prevenção individual e coletiva. “Vacina não é só para criança, e sim para adultos também. Nós ainda não damos a devida importância por cumprir o calendário vacinal na fase adulta que protege contra doenças como hepatite A e B, sarampo, febre amarela, tétano, influenza, HPV, entre outras”, afirma.

Para pacientes crônicos é preciso pensar em alguns detalhes como, por exemplo, se a vacina é a chamada viva atenuada ou morta inativada; se será aplicada antes da imunodepressão, durante ou depois; qual a quantidade de dose; e se precisa fazer sorologia prévia.

Segundo Kfouri, o ideal é sempre vacinar antes da imunodepressão, ou seja, é preciso se antecipar ao início de uma quimioterapia, fazer uma cirurgia ou outros procedimentos que causem a queda da imunidade. Se a vacina contém componentes vivos, é preciso realizar a aplicação no paciente quatro semanas antes, se tiver organismos inativos são necessárias duas semanas. Caso seja aplicada vacina durante quimioterapia, é preciso repetir a dose.

“Como sugestão, indico que o médico deve seguir um roteiro básico para pacientes crônicos que começa em avaliar o comprometimento que a pessoa tem no sistema imunológico, observar o calendário de acordo com a idade, entender a vacinação prévia já realizada, sempre considerar a vacina influenza e vacinar familiares e acompanhantes que estão sempre em contato com o paciente”, explica o diretor.

Para assistir ao vídeo com explicação do especialista, acesse: https://www.youtube.com/watch?v=XDgTP8Omci4&feature=youtu.be

 

Comunicar erroFale conoscoNewsletter

Mais do Agenda Betim
Fachada do Ministério da Saúde na Esplanada dos Ministérios

BH tem primeira morte relacionada à varíola dos macacos

Homem já tratava outras doenças, incluindo um câncer, informou o Ministério da Saúde
Criança recebe vacina contra a Covid em Betim (MG)

Com baixa adesão, Betim amplia vacinação para todas as crianças de 3 anos

Antes disponível apenas para crianças com imunossupressão, imunizante está disponível em dez UBS da cidade
Criança recebe a vacina contra a Covid em unidade de saúde de Betim (MG)

Betim amplia locais de vacinação em crianças de 3 e 4 anos

Imunização começou no último sábado, mas em apenas um local. Prefeitura incluiu dez Unidades Básicas de Saúde e o vacimóvel para continuar imunizando este público
Vista aérea da região central de Betim (MG)

Betim confirma primeiro caso de varíola dos macacos

Confirmação ocorreu após exames feitos pela Secretaria de Estado de Saúde. Segundo a prefeitura, o caso foi em um adulto e que está clinicamente estável. Município investiga outros quatro casos suspeitos
Conteúdo patrocinado: