Também estamos nas redes sociais

Hi, what are you looking for?

Minas Gerais

Falta de profissionais impede ampliação de leitos de UTI em Minas

Governo de Minas vem enfrentando dificuldade de encontrar profissionais especializados

A contratação de médicos especialistas em UTI é um desafio para a expansão das unidades de terapia intensiva para o enfrentamento da covid-19 em hospitais da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig). Com o plano de ampliação de até 66 leitos de UTI, a Fhemig tem feito sucessivos chamamentos emergenciais para contratação desses profissionais e, mesmo oferecendo uma remuneração compatível com o mercado, poucos candidatos preenchem os requisitos necessários.

Um leito de UTI direcionado para pacientes com complicações da covid-19 exige profissionais com maior qualificação. Para cada dez leitos disponíveis são necessários nove médicos, que precisam ser especialistas em Terapia Intensiva ou Infectologia e ter experiência nesse tipo de trabalho.

A princípio, o profissional precisa ser do nível III, com graduação em Medicina, residência e especialização registrada no Conselho Federal de Medicina. “Trata-se de um leito crítico, que tem direcionamento de trabalho com critérios específicos. Para trabalhar, é preciso que o profissional atenda ao perfil e possua experiência, e estamos com dificuldades de captar esse médico”, pontua a diretora de Gestão de Pessoas da Fhemig, Alice Guelber Melo Lopes.

Porém, a diretora ressalta que as demais vagas oferecidas, para outras categorias profissionais também necessárias à formação de novas equipes (técnicos de Enfermagem, fisioterapeutas respiratórios, entre outros) são preenchidas, formando, inclusive, cadastro reserva.

Chamamentos

Alice conta que, para o Hospital Júlia Kubitschek, por exemplo, já foram feitos três chamamentos. No primeiro, em 16 de junho, foram oferecidas nove vagas e só dois médicos se inscreveram. Outro edital foi aberto e foram oferecidas sete vagas e, mais uma vez, só houve dois candidatos. Em 27/7, novo chamamento foi feito, com sete vagas, e o processo está em andamento.

A remuneração básica oferecida para o médico nível III é de R$ 9 mil, para 24 horas de trabalho semanais. “Já tivemos processos em que não apareceu nenhum profissional médico”, lembra Alice, que diz ter tido dificuldades na capital e no interior do estado.

Um procedimento adotado pelo Governo de Minas para conseguir os profissionais, e assim, ampliar o número de leitos em Minas, é abrir o chamamento também para médicos de nível I, que têm a graduação em Medicina e experiência comprovada em leitos de UTI, sem a especialização registrada. Para eles, tem sido oferecida a remuneração de R$ 7mil por 24 horas semanais. “Há uma demanda geral pelos médicos em todo o Brasil, e estamos competindo com várias situações”, diz Alice.

(Imagem Agência Brasil/EBC)

*Com informações da Agência Minas

Comentários

Continue lendo

Publicidade